JOAQUIM BRAGA MONTENEGRO

Categorias: Galeria de Sócios Efetivos

Joaquim Braga Montenegro nasceu na cidade de Maranguape-CE, no dia 28 de fevereiro de 1907.

Filho de João Oscar Montenegro e de Lídia Braga Montenegro.

Sócio efetivo do Instituto do Ceará, tomou posse em 25.08.1955.

Quando jovem, trabalhou no Amazonas. Posteriormente fez concurso para o Banco do Brasil, exercendo suas funções em Fortaleza, Maceió, Parnaíba (Piauí), Rio de Janeiro e Três Corações (Minas Gerais).

Após a aposentadoria, prestou serviços à Universidade Federal do Ceará e à Secretaria de Cultura do Estado.

Foi prefeito da cidade de Viçosa-CE e subprefeito de Fortaleza, no Distrito de Parangaba.

Romancista, contista, ensaísta, é considerado o mais apurado e penetrante dos nossos críticos literários.

Foi um dos fundadores do Grupo Clã e membro da Academia Cearense de Letras.

Pertenceu ao Conselho Estadual de Cultura e foi sócio correspondente da Academia Mineira de Letras.

Sua obra é vasta e esparsa, publicada em jornais e revistas, tendo participado de importantes antologias nacionais.Artur Eduardo Benevides o incluiu entre os poetas bissextos do Ceará.

Homenagens recebidas: título de Professor Honoris Causa da UFC e Medalha José de Alencar, do governo do estado.

Faleceu em Buenos Aires, no dia 22 de novembro de 1979.

Obras principais: Uma chama ao vento (1946) (contos), que recebeu os prêmios Aequitas e Afonso Arinos, da Academia Brasileira de Letras; Araripe Júnior (subsídios para um estudo) (1951); Evolução e natureza do conto cearense (1951); José Albano (1958); As viagens (prêmio de contos e novelas da UFC) (1961); Correio retardado (1ª ed. 1966 e 2ª ed.1974); Boa Esperança em quarenta e oito horas (1969); As viagens e outras ficções (1976).

Fonte: MARTINS, José Murilo. Academia Cearense de Letras. História e Acadêmicos. MARTINS, José Murilo. Poetas da Academia Cearense de LetrasAMORA, Manoel Albano. A Academia Cearense de Letras. Síntese Histórica. GIRÃO, Raimundo. A Academia de 1894.